Notícias

Vereadores decidem cassar mandato de Wellington Magalhães na Câmara Municipal de BH

Por Redação , 22/11/2019 às 11:39
atualizado em: 22/11/2019 às 15:39

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00
Foto: Flickr Câmara
Flickr Câmara

A Câmara Municipal de Belo Horizonte cassou no fim da manhã desta sexta-feira o mandato do vereador Wellington Magalhães (sem partido). O parlamentar foi denunciado em seis infrações e derrotado em cinco. Bastavam 28 votos contrários ao político em uma delas para perder que ele perdesse o cargo.

Votação 1 - Improbidade administrativa e fraude em licitação: 30 pela cassação, nenhum contrário à cassação e duas abstenções;

Votação 2 - Uso de tornolezeira eletrônica: 26 pela cassação, quatro contrários (Pedro Patrus e Arnaldo Godoy, ambos do PT, e Cida Falabela e Bella Gonçalves, ambas do PSOL) à cassação e duas abstenções;

Votação 3 - Tráfico de influência: 31 pela cassação, nenhum contra a cassação e duas abstenções;

Votação 4 - Ameaças a autoridades e vereadores: 32 pela cassação, nenhum contrário a cassação e duas abstenções;

Votação 5 - Abuso da Prerrogativa de presidente da Câmara ao mudar instalações internas para ampliar o próprio gabinete: 32 pela cassação, nenhum contrário à cassação e duas abstenções;

Votação 6 - Falsa declaração à polícia: 32 pela cassação, nenhum contrário à cassação e duas abstenções.

As abstenções em todas as votações foram de Autair Gomes (PSC) e Flávio dos Santos (Podemos). “Um sentimento de que a Câmara cometeu uma injustiça. Cada um votou com a sua consciência”, afirmou Flávio.

Aliados de Magalhães, como Jair di Gregório (PP), Coronel Piccinini (PSB) e Preto (DEM), não foram à Câmara. Álvaro Damião (DEM) está em viagem para Lima, no Peru, para a final da Copa Libertadores. Também foi ausência Ramon Bibiano da Casa de Apoio (MDB). Os parlamentares têm até 10 de dezembro para justificar a falta.

A análise do pedido de cassação começou por volta de 11h30. O advogado de Magalhães, Sérgio Santos Rodrigues, usou a meia hora a que a defesa tinha direito para falar no plenário. Nenhum parlamentar quis discursar.

Autor da denúncia contra Magalhães, Mateus Simões (Novo) lembra que no ano passado também pediu a cassação do colega, mas não a conseguiu. “A denúncia que eu apresentei há 90 dias é muito mais robusta do que a do ano passado e as provas colhidas dessa vez foram definitivas.”

A cassação de Magalhães será publicada no Diário Oficial do Município na semana que vem. Ele será substituído pelo suplente, Dimas da Ambulância, que tomará posse nas próximas semanas.

Segundo o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), Magalhães é suspeito de liderar uma organização criminosa que fraudava licitações de publicidade na Câmara e que pode ter desviado R$ 30 milhões. O MP sustenta que o vereador enriqueceu com a política, apesar de R$ 17 mil de parlamentar. Ele chegou a ser preso em abril do ano passado, mas foi solto no mês seguinte, quando passou a usar tornozeleira eletrônica. Magalhães afirma inocência.

Propina

Durante a votação, um oficial de Justiça esteve na Casa para entregar uma intimação aos vereadores Eduardo da Ambulância (Podemos) e Pedro Bueno (Podemos). Eles são suspeitos de receber propina para votar em favor de Wellington Magalhães. Em nota enviada antes da votação, Bueno negou a acusação e antecipou que seria contrário a Magalhães. Eduardo disse que só se pronunciaria após a votação. 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link