José Lino Souza Barros

Coluna do José Lino Souza Barros

Veja todas as colunas

Onde foi que nós erramos

13/04/2019 às 10:56
Ouça na Íntegra
00:00 00:00

As pessoas não têm o hábito de se reunir e combinar: - Ei, vamos fazer um país? Não. Em geral, os países se formam aos poucos, quase sempre por conveniências geográficas, sobretudo conveniências aquáticas. (...) Olhe o célebre caso do Egito. Heródoto disse que o Egito é uma dádiva do Nilo. De fato, o Egito só existe por causa das enchentes anuais do Nilo. (...) Depois que o Nilo se retirava, deixava uma terra rica e fértil, onde os homens plantavam alegremente. (...)

Um país que fugiu a essa regra foram os Estados Unidos. Eles praticamente reuniram-se para fundar uma nação. É que os Estados Unidos são, mesmo, Estados que se uniram. (...)

E é aí que chego ao Brasil. (...) Sobre esses 8,5 milhões de quilômetros quadrados de terra em que, se plantando, tudo dá, vive uma população que fala a mesma língua e que não enfrenta muitas instabilidades naturais, como terremotos, furacões e eliminações da Copa do Mundo. (...)

Era para ser fácil fazer um país, mas a questão é que nós, brasileiros, não conseguimos nos acertar quanto às regras que vão gerir nossa convivência. (...) Por essa razão, criamos regras de acordo com as circunstâncias. A Constituição de 1988, por exemplo, foi escrita no calor da redemocratização. (...) Foi uma Constituição feita com paixão, não com razão. Só podia dar errado. Saiu um monstrengo político, administrativo e social. Um monstrengo bem-intencionado, verdade, mas, ainda assim, um monstrengo. (...) Não sabíamos exatamente que país nós queríamos; sabíamos que país nós não queríamos. E, em cima desse sentimento de negação, em vez de ser de afirmação, construímos uma proposta de nação leniente, centralizadora e irreal.

A Constituição de 1988 moldou um país torto. Está na hora de mudar.

Texto do jornalista e escritor David Coimbra 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link