José Lino Souza Barros

Coluna do José Lino Souza Barros

Veja todas as colunas

Gagá

27/07/2019 às 11:27
Ouça na Íntegra
00:00 00:00

Ouça a crônica de Nelson Rodrigues na voz de José Lino Souza Barros!

Era jeitosa de rosto e de corpo. Já no seu primeiro dia de repartição, foi advertida pelas companheiras:
— Abre o olho!
— Por quê?
Em meio de risinhos e cochichos, continuaram a maledicência:
— O seu Maciel não é sopa!
Ingênua por natureza e por educação, alma sem malícia, encarou as outras, surpresa. E perguntou: “Vem cá. Não é sopa como?” Deram informações mais detalhadas e precisas:
— Não pode nem ver mulher. Já deu em cima de todas as funcionárias da seção. Uma fera!
Lourdinha ainda resistiu, na sua ilimitada boa-fé. “Mas é certo isso?” Houve uma confirmação geral:
— Certíssimo! E uma das colegas, Arlete, mais petulante do que as outras, foi mais longe:
“Aposto o diabo como, na primeira oportunidade, ele dá em cima de você.”
Mais do que depressa, a garota trançou os dedos, numa figa preventiva. Disse:
“Eu, hein? A outra insistiu: “Quer apostar?” Quase ofendida, empinou o queixo:
— Mas eu sou noiva, o que é que há?
Surgiram os risinhos. Explicaram, então, que ele não fazia a menor discriminação de casadas, noivas, viúvas e desquitadas. Segundo Arlete, ele era um pouco dessa lógica patética, segundo a qual o que cai na rede é peixe. A rigor, seu Maciel só tinha uma predileção especial: as “novinhas”. Rodeando Lourdinha, as outras teimavam:
— Espera e verás!

O velho

Lourdinha ficou com a pulga atrás da orelha. Mas quando viu o chefe, com cabelos ralos e grisalhos, de óculos, uma aparência de sessenta anos bem-vividos, caiu das nuvens. E foi, correndo, reclamar da outra: “Ora, não amola! Um velho gagá!” Arlete debruçou-se sobre a máquina e repetiu: “Vai por mim; abre o olho!” 
Durante, os primeiros sete dias de serviço, Lourdinha teve, por exigências do serviço, uma série de aproximações com o chefe. Este, porém, justiça seja feita, foi de uma correção, de uma polidez, de uma cerimônia verdadeiramente exemplares. E era até engraçado vê-lo chamar de “dona” e “senhora”, apesar dos seus 20 anos. Jamais dissera uma palavra suspeita, jamais esboçara um gesto equívoco. No exercício de suas funções e durante o expediente, era o burocrata e nada mais. As colegas é que não se conformavam. Sempre que ela saía do gabinete, com pastas debaixo do braço, a crivavam de perguntas:
— Como é? Ele te deu em cima? Conta, conta!
Lourdinha era categórica:
— Vocês são de amargar, puxa! Deu em cima de quem? Que mania! — e reafirmava: — Me trata com o máximo respeito!
Um dia, porém, foi fazer uma consulta ao seu Maciel, quando este, pigarreando, perguntou: “Que idade tem a senhora, d. Lourdes?” Parecia uma curiosidade natural e platônica. Respondeu:
— Vinte.
Tirou os óculos, limpou a lente com um lenço fino:
— Sabe qual é a minha — repôs os óculos e continuou: — Vamos ver se você adivinha. Que idade eu pareço ter?
Balbuciou, perturbada: “Não sei, não senhor.” Ele, porém, cordial, animava:
“Pode dizer. Diz.” Sob a pressão do outro, arriscou: “Cinquenta e cinco?”
Seu Maciel riu, divertido; e retificou alegremente: “Errou!” E então, tocada pela cordialidade, pela confiança do chefe, quis saber: “Quantos?” Estufou o peito:
— Sessenta! Percebeu? Quer dizer, tenho 40 anos mais que a senhora. Podia ser seu pai! — e suspirando, acrescentou: — Já não dou mais no couro!
Ergueu-se, fez a volta da secretária e veio até onde estava a moça. Pousou a mão na sua cabeça. Em voz baixa, disse: “Não se esqueça nunca do seguinte: eu podia ser seu pai. Não podia, hein? Fala, meu anjo...” Confusa, balbuciou: “Podia.” Ele esfregou as mãos, numa satisfação profunda; pigarreou, concluindo:
— Pode ir! Pode ir!

O protetor

As amigas continuavam curiosas: “Deu-se alguma piada?” Respondia: “Nenhuma.” No dia seguinte, pela manhã, o boy veio chamar Lourdinha, a mando do seu Maciel. Pela primeira vez, ele a convidou: “Senta. Pode sentar.” E, então, com extrema naturalidade, indagou: “Você tem namorado?” Disse: “Sou noiva.” E ele:
“Ótimo! Ótimo!” Quis saber, em seguida, se o noivo ganhava bem. Quando soube que não, que tinha um salário de fome, suspirou, grave:
— Isso é que é mau! Isso é que é mau!
Estava sentado na cadeira giratória. Levantou-se e começou a andar, de um lado para outro, com as mãos nos bolsos. Parecia um conferencista. E foi dizendo uma porção de coisas, inclusive isto: “Quero ser teu protetor.” Prevenindo uma interpretação errada de suas palavras, explicou: “Posso te falar assim, pelo seguinte, sou um velho. Tenho uma filha da tua idade. E, contigo, é até engraçado: eu me sinto uma espécie de pai.”
Transformava a própria velhice num argumento invencível: “O velho tem suas vantagens. Primeiro: não ameaça ninguém.” Novamente, pousou a mão na cabeça da garota: “Sou uma ameaça pra você, um perigo?” Ele próprio daria a resposta terminante: evidentemente não. Com meus cabelos brancos, a única coisa que eu posso ser, no duro, é uma espécie de Papai Noel.” Estacou e, já agora, segurava a ponta do queixo de Lourdinha. Baixo, perguntou: “É ou não é?” Admitiu:
— É.
Arrependeu-se logo de ter concordado. Mas o fato é que o outro, com a ascendência dos anos e de hierarquia, com a lógica aparente dos argumentos tornava naturais as coisas mais incríveis. Houve um momento em que seu Maciel prendeu entre as mãos o rosto atônito de Lourdinha. Ela mal respirava, numa passividade de todo o ser. E tinha uns olhos fixos de hipnotizada. Quando saiu de lá, as coleguinhas a esperavam com o comentário:
— Olha que esse cara tem uma lábia tremenda. Com a conversa de que é velho, vai longe!

O cinema

Durante dois dias, não recebeu nenhum chamado do gabinete. Via o chefe, a distância, e de passagem. A princípio, respirou, feliz: “Graças a Deus!” Mas outras funcionárias entravam e saíam de lá. Menos ela. E isso foi, com o correr das horas, criando, no mais íntimo de si mesma, uma certa irritação. À tarde, quase à hora de fechar o expediente, seu Maciel veio ver um processo numa mesa próxima. E não teve um único olhar, uma única palavra, para ela. Sem tirar os olhos do trabalho, Lourdinha comentou, de si para si: “Que graça!” Nesse dia, saiu do emprego de mau humor. O noivo a aguardava, na esquina. Enquanto esperavam o ônibus, o rapaz foi advertindo: “Me contaram que teu chefe é um velho sem-vergonha. Se ele se engraçar pra teu lado, você me diz, que eu vou lá e sabe como é, parto-lhe a cara!”
Lourdinha, que não gostava de homem genioso, ralhou:
— Deixa de valentia, sim?
Na manhã seguinte, seu Maciel mandou chamá-la, logo cedo. Desta vez, foi mais direto ainda. Confessou: “Gostaria muito de ajudar, você, no seu enxoval, etc., etc.” E, sem desfitá-la, perguntou: “Quer ir a um cinema comigo?” E insistia:
“Um cineminha?” Durante um minuto, dois, foi incapaz de uma resposta: não estava indignada e... com esforço, balbuciou:
— Não vale a pena.
Seu Maciel, amargo, lembrou: “Olha que eu tenho uma filha da tua idade!” Mas, nessa tarde, cruzaram-se, acidentalmente, na rua, depois do expediente, os três: de um lado, Lourdinha e o noivo e do outro seu Maciel. Ora, o noivo de Lourdinha, forte, atlético, bonitão, era desses homens que viram a cabeça de qualquer mulher.
E, pela primeira vez seu Maciel teve a amargura da idade e sofreu, de uma maneira aguda e intolerável, a humilhação de ser velho. Havia entre seus cinquenta anos e a vitalidade do outro um contraste esmagador. Entrou, em casa à noite, numa tristeza irremediável. A mulher estranhou:
— Que cara sinistra é essa?
Explodiu: — Ora, não me aborrece você também!
A esposa, meio irritada, replicou, num tom equivalente: “Que cavalo!” E foi só. Por coincidência ou por autossugestão, acordou, no dia seguinte, com dores nas articulações. Ironizou: “Reumatismo da idade!” Entrou na repartição com uma dessas melancolias que arrasam os mais resistentes. Chamou um companheiro de trabalho, idoso como ele, e fez as confidências mais patéticas: “O negócio é o seguinte: o velho não tem vez, o velho nem devia existir.” O outro, impressionado com esse lamento, indagou: “Que bicho te mordeu?” Teve vergonha de entrar em maiores confidências; despistou: “Sou um palhaço muito grande.” Pois bem. Passou uns três dias, de cara amarrada, sem olhar para Lourdinha. E não lhe saía da cabeça a imagem do noivo juvenil, com seus ombros largos. Até que, um dia, estava sozinho, quando Lourdinha entra no seu gabinete e faz a pergunta: “Seu Maciel o senhor está zangado comigo?” Ergueu-se, pálido. Gaguejou: “Eu?” Continuou, sem desfitá-lo:
— O senhor nunca mais me chamou. Parece até, que está me evitando!
O velho arriou na cadeira giratória: “Estou velho, muito velho...” Teve ainda um desabafo brutal: “Não sou nada, nada, diante do teu noivo. Aquilo é que é homem!”
Então, aquela menina de 20 anos, fez a volta da mesa, numa espécie de fascinação. Apertou o rosto do chefe entre as mãos, beijou-o na boca, muitas vezes.


Sonoplastia:Ronald Araújo 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Bolsonaro provoca presidente da OAB: 'Posso contar como o pai dele desapareceu' https://t.co/VL1QAuI1sI https://t.co/uO2itrIBJh

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link