José Lino Souza Barros

Coluna do José Lino Souza Barros

Veja todas as colunas

POR AÍ 

Da Dramaturga e escritora Miriam Bevilacqua 

22/07/2019 às 11:17
Ouça na Íntegra
00:00 00:00

Ando de lá pra cá com motoristas de aplicativos e o que, para a maioria das pessoas, pode ser um desconforto, para mim é um grande prazer. Não preciso dirigir, me estressar com o trânsito dessa cidade que eu amo, mas que insiste em me deixar horas parada entre suas ruas, fazendo com que eu me sinta tão impotente.

Rebelde, não aceito ser vencida pelo trânsito. Falo ao telefone, respondo e-mails, confiro minhas redes sociais e consigo até trabalhar tranquilamente. (...)

Alguns motoristas ainda me servem água ou balinha enquanto eu escrevo ou converso.(...) São eles que me contam que o trabalho pelo aplicativo, na maioria das vezes, é apenas algo temporário em um país com mais de treze milhões de desempregados. A grande maioria perdeu o emprego nessa crise que parece interminável e viu no aplicativo sua única opção de renda.

Ouço as histórias, sempre me surpreendo com algum detalhe, e fico encantada em perceber como as pessoas são tão diferentes e tão iguais.
-Um dia essa crise vai passar e eu vou poder voltar a trabalhar no que gosto, me disse uma vez um motorista.

- E no que você trabalhava? – perguntei curiosa.
- Sou engenheiro ambiental.

Respiro pesarosa. Até assim o meio ambiente perde. Penso, mas não digo. As palavras, apesar de serem meu ofício, me faltam. Reforço que, claro, um dia essa crise tem de passar.

Alguns querem saber da minha vida. Fazem muitas perguntas e eu, filha de mineira desconfiada, não conto tudo com medo das histórias de sequestro que povoam nossas pobres mentes urbanas. Quando a corrida termina, exatamente como o combinado, sinto um pouco de vergonha de ter pensado mal de apenas um trabalhador brasileiro.

Fecho a porta do carro enquanto me despeço desejando um bom-dia.

Sei que é um trabalho como tantos outros, mas me entristece pensar que, apesar de trabalhar doze, quatorze horas em um trânsito feroz, não há para ele a criação de vínculos com os colegas de profissão, o bate papo do café, as pequenas comemorações de aniversário e o falar mal de chefe, coisas que tornam o dia a dia em um emprego mais suportável e que, de verdade, são tão importantes.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Bolsonaro provoca presidente da OAB: 'Posso contar como o pai dele desapareceu' https://t.co/VL1QAuI1sI https://t.co/uO2itrIBJh

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link