José Lino Souza Barros

Coluna do José Lino Souza Barros

Veja todas as colunas

A jovem 

10/08/2019 às 11:42
Ouça na Íntegra
00:00 00:00

Ouça a crônica de Nelson Rodrigues na voz de José Lino Souza Barros 

O pai dava pulos de meio metro:
— Eu não admito, ouviu? Não admito!
Chamava-se Rosas, seu Rosas e não era o único a não admitir. Com efeito, além dele, todos os parentes, amigos, conhecidos, vizinhos condenavam o namoro de Livinha com o Alexandre. Perguntava-se: “Quem é o Alexandre?” Não tinha onde cair morto. De mais a mais, um vadio nato e hereditário. Vivia de expediente, mordendo amigos, conhecidos, a partir de dez reais. Livinha era interpelada:
— Quer morrer de fome?
Teimava:
— Quero!
Amava o rapaz. Diga-se de passagem que tinha uma afetividade tremenda. Gostava de tudo e de todos. Queria bem até aos gatos vira-latas. Sabia que o Alexandre não era “flor que se cheire”. Ele a atraía por isso mesmo. Achava que podia regenerá-lo. E o rapaz também a amava. A princípio, a família dava conselhos, doutrinava. Mas Livinha era uma garota de caráter, de personalidade. Desafiava a feroz oposição familiar:
— Caso e pronto!
Foi então que seu Rosas avisou à mulher e aos vizinhos: “Vou apelar para a ignorância!” D. Adelaide, a mulher, ainda lhe fez a sugestão:
— Bate, mas não machuca!

A surra

Jamais dera um cascudo na filha. Naquela tarde, arregaçou as mangas e, com o cinto na mão, chamou a menina:
— Como é? Você desiste ou não desiste?
Com o lábio inferior tremendo, respondeu:
— Não!
O velho ergueu o cinto. A vizinhança, já informada da surra, apurava o ouvido.
Efetivamente, ouvia-se o estalo de cada lambada. Mas a menina não deu um “ai”. Enquanto ele batia, os moradores cochichavam entre si: “Olha a Livinha apanhando!” Por fim, cansado, bufando, seu Rosas pergunta:
— E agora? Desiste?
Ergueu o rosto duro:
— Não!
Ele ia talvez continuar. Mas a mulher, a empregada e um vizinho atracaram-se com ele:
— Chega! Basta!
Livinha, com lanhos nos braços, nas pernas, trincava os dentes de ódio.

O namorado

Seu Rosas já não sabia o que fazer. Restava-lhe um único e medíocre consolo — é que Livinha, se bem tivesse um corpo de mulher, fizera recentemente 16 anos. Como menor, não podia casar-se sem autorização da família. E o seu Rosas já pensava numa segunda surra, quando sopraram a ideia:
— Por que é que, em vez de bater na sua filha, o senhor não bate no namorado?
Seu Rosas esfrega as mãos:
— É mesmo! Ela não desiste, mas o namorado pode desistir!
O vizinho insiste:
— Pau nele, seu Rosas! Pau nele!
O velho tinha, em casa, uma garrucha hereditária que talvez não matasse nem passarinho. Fosse como fosse, a arma serviria de efeito moral. No dia seguinte, foi procurar o rapaz. Encontrou-o no bar e o chamou para uma esquina escura. Lá, houve ajuste de contas. Ele começa perguntando:
— Escuta aqui, rapaz! Por que é que você anda atrás de minha filha? Ou você não percebe que você não é do mesmo nível? Fala!
O outro gagueja:
— Mas eu gosto de sua filha!
Explodiu:
— Gosta nada! Você não pode gostar de ninguém! Você é um desclassificado! E olha aqui, seu crápula! 
Quando o rapaz viu, na mão do seu Rosas, a garrucha quase centenária, caiu num pânico abjeto. Chorou como um menino. Pedia, pelo amor de Deus:
— Não me mate! Não me mate!
Exultante da própria ferocidade, seu Rosas ditou condições:
— Por esta vez, passa! Mas se eu souber que você falou com a minha filha, meto-lhe um tiro na boca!
Ainda deu uns empurrões no pobre-diabo.

A pequena

No primeiro telefonema de Livinha, Alexandre pôs os pingos nos “ii”:
— Estive pensando melhor e não convém. Seu pai tem razão. É melhor acabar. E faz um favor: Não me telefona mais! Com licença.
Ainda berrou no telefone: “Alexandre! Alô! Alô!” Ele desligara. Ela voltou para casa fora de si. Entra, aos soluços:
— Mas o que é que papai disse ao Alexandre? Que foi?
Tinha vontade de bater com a cabeça nas paredes. Súbito, volta-se para a mãe, para as irmãs:
— Olha aqui! Vou avisar uma coisa, eu queria me casar, direitinho, com véu e grinalda e vocês não quiseram. Depois, não se queixem.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Bolsonaro provoca presidente da OAB: 'Posso contar como o pai dele desapareceu' https://t.co/VL1QAuI1sI https://t.co/uO2itrIBJh

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link